Mancha solar explode, mas Terra escapa das partículas carregadas
loading...

Mancha solar explode, mas Terra escapa das partículas carregadas

Uma explosão solar de extrema intensidade ocorreu nas primeiras horas de domingo, 23, e foi registrada pelos satélites que monitoram a atividade da nossa estrela. Se ocorresse alguns dias antes, as partículas acertariam diretamente a Terra, com consequências imprevisíveis.

Registro da explosão solar ocorrida farside (lado oposto do Sol) em 23 de julho de 2017. A magnitude do flare pode ter chegado a X3. Clique para ver a animação.

A poderosa ejeção de massa coronal (EMC) ocorreu exatamente na região ativa AR2665, que há duas semanas estava faceada em direção ao nosso planeta. Ainda não é possível estimar com absoluta certeza a magnitude energética do evento, mas cientistas especializados no estudo do Sol acreditam que o flare de raios-x gerado no momento da explosão pode ter atingido a classe X3, quase o topo da escala de medições.

Um flare dessa magnitude equivale a um pico de energia de cerca de 35 GigaWatts no comprimento de ondas de raios-X, injetados diretamente no topo da atmosfera da Terra. Embora esse tipo de emissão seja bloqueada pela atmosfera e não chegue à superfície, seus efeitos ionizadores são bastante cruéis e podem levar a blecautes severos em sistemas eletroeletrônicos e satelitais.

No caso da explosão desse domingo, as partículas foram lançadas do lado oposto do Sol, em direção a Marte e possivelmente serão detectadas nos próximos dias pelos jipes-robôs Curiosity e Opportunity, que estudam o planeta Vermelho. Escapamos por pouco.

Halloween Storm
Entre o final de outubro e início de novembro de 2003, nosso Sol passou por um dos momentos de maior atividade já registrada, produzindo uma sequencia emblemática de explosões extremamente fortes que atingiram nosso planeta. Como o evento ocorreu próximo ao dia das Bruxas nos EUA, foi batizado por pequis adores estadunidenses de Halloween Storm.

Durante os dias do evento o Sol produziu diversas explosões maiores que Classe X17, que lançaram em direção à Terra bilhões de toneladas de partículas carregadas. No primeiro impacto das partículas, o índice KP que mede a instabilidade ionosférica atingiu o nível 9 e a tempestade geomagnética que seguiu durou cerca de 60 horas, produzindo auroras boreais visíveis até em Miami.

Em 4 de novembro de 2003 ocorreu a maior tempestade solar já registrada por instrumentos. De acordo com os pesquisadores, essa rajada atingiu a classe X28. Alguns estudos mostram que esse valor pode ter sido ainda maior e o nível de raios-x pode ter atingido a impressionante classe X40.

Para que o leitor tenha uma ideia da violência do evento, a explosão danificou 28 satélites, uma sonda na órbita de Marte e provocou um apagão na Suécia. Além disso, foi registrada por diversas naves interplanetárias, entre elas a Voyager, na época na orbita de Plutão. O satélite SOHO, que registrava o evento, ficou momentaneamente cego pela descomunal quantidade de energia que atingiu seus sensores.

Por sorte, a área mais densa das partículas ejetadas não atingiu a Terra diretamente, passando de raspão pelo nosso planeta.

Considerando que atualmente nosso Sol quase nem manchas apresenta, será que ainda teremos tempo de testemunhar um evento parecido com o Halloween Storm?

Dá pra encarar?

Você também deve apreciar:

Show Buttons
Hide Buttons